Buscar
  • felipefabg

#22. Camisa amarela, calça verde, faixa azul no braço



Em 2030, não havia eleições diretas no Brasil. Na verdade, as eleições não são realizadas desde o segundo turno de 2026. Foi quando os Soldados da Pátria impediram a realização da votação em segundo turno, dizendo salvar o Brasil da ameaça comunista.


Vestindo camisas amarelas, calças verdes e faixa azul no braço; gritando “Ordem e Progresso”; pequenos grupos armados foram às seções eleitorais de todo o país e barraram a entrada de pessoas. As polícias estaduais nada fizeram para contestar o movimento dos camisas amarelas. Na maior parte do país, deram sustentação e cobertura para os confrontos que se seguiram.


Centenas de mortes foram registradas nos dias seguintes. O congresso, sindicatos, sedes de partidos políticos e organizações não governamentais foram atacados. Escritórios de advocacia e veículos de comunicação foram atingidos em seguida. Milhares foram perseguidos e presos.


O presidente, que havia sido reeleito em 2022, se autoproclamou Comandante Supremo Vitalício frente a uma multidão amarela que o aplaudia e felicitava fervorosamente. Declarou ali que traria paz e verdade aos patriotas e terror aos inimigos da pátria.


Sua primeira medida foi dar poder de polícia aos Soldados da Pátria. Estimulou as denúncias e delações de subversivos e recriou o Sistema Nacional de Informações para vigiar a população. Todos os meios de comunicação foram proibidos e a internet controlada. Haveria, a partir de então, uma live semanal, chamada A Verdade, para que o Comandante falasse à nação.


Depois de meses de protestos e um número incalculável de mortos, as manifestações contrarias foram sufocadas.


As medidas econômicas foram direcionadas a diminuir o tamanho do Estado e dar mais liberdade aos empresários. A CLT foi revogada e agora cada empregado deveria negociar seus contratos direto com o empregador. Foram dados vouchers para a população gastar com saúde e educação, já que hospitais e escolas públicas foram todos privatizados.


O Comandante direcionou medidas para que o agronegócio de exportação fosse o grande motor da nação. Novas frentes agrícolas foram abertas nos principais biomas preservados, Amazônia, Pantanal e Cerrado. Invasões foram legalizadas e multas perdoadas. Por meio de fusões e aquisições, os grandes produtores ficaram ainda maiores. Grandes fazendas se estendiam por quilômetros e quilômetros do território.


O Islã, as religiões de matriz africana, espíritas e demais religiões fora da denominação judaico-cristã, foram proibidas e perseguidas. O Ministério da Família fez uma ampla campanha para retirar a guarda de crianças cujos pais não fossem cristãos. Com a justificativa de que são crenças que pervertem os indivíduos, as crianças foram enviadas para reeducação em acampamentos, onde eram cristianizadas.


Em 07 de setembro era sediado o desfile patriótico. Multidões nas principais capitais assistiam os Soldados da Pátria desfilarem e depois marchavam atrás deles louvando a deus, à pátria, à família e ao fim da ameaça vermelha.


Com o foco na exportação, o mercado interno encareceu. Os salários perdiam valor mês a mês devido a constante inflação de alimentos e serviços. As escolas e instituições de ensino eram completamente voltadas para formar mão de obra para o agronegócio e beneficiamento de produtos para exportação. Com isso, havia chance mínima de ascensão social. O governo oferecia vouchers para saúde e educação, mas os aumentos constantes desses serviços faziam com que a população tivesse que, na maioria das vezes, optar entre uma ou outra.


A insatisfação crescia, mas não havia como protestar. A quem recorrer? Ao Comandante Supremo devia-se obediência. Era preciso manter a ordem.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo