Buscar
  • felipefabg

#9. Não gosto de menino pidão



É vem Manel de Ginu. Ô cabra ruim. O povo diz que ele é estrangeiro, paraguaio, não sei. Só sei que ele não fala que nem nós. Vive com a cara fechada, de quem comeu e não gostou.


Nós gosta quando ele passa porque quem puxa a carroça dele são uns cabritinhos bonito, peludinho. A criançada faz festa com os bichos e ele dá uns gritos na gente:

- Deixa meus cabrito quieto, sô!


O Manel vende lenha e couro que ele carrega na carroça. As roda de madeira vêm apitando agudo, de longe, por causa do sebo que se passa nelas pra deslizar melhor.

- Dondé que cê lá vai?, perguntam Zé e Tião, que jogam pião comigo.

- Cortar madeira no córrego lá de baixo, diz Manel.

- Nós pode ir na carroça com você?

- Não! Não gosto de menino pidão. Se quiser vem correndo atrás.


Na metade do caminho, Manel deixa subir na carroça depois que a gente insiste e promete ajudar com a lenha. Chegamos no córrego e a água está tão limpinha, tão transparente, tão gostosa, que a gente esquece a promessa e vai brincar na água. Manel começa a cortar a lenha enquanto a gente pula, joga lama um no outro e dá de comer aos cabritinhos.

- Se essa lama pegar em mim, vocês vão tomar de cinta, rosna Manel. Vê se vocês faz algum trem que presta e começa a colocar a lenha na carroça.


Paramos com as cabriolagens e vamos juntar a lenha, trazendo os tocos para perto da caçamba. Eu subo na carroça e vou aparando as lenhas que Zé e Tião jogam pra mim. Arrumei tudo e o Manoel gritou:

- Já tá bom... Até que vocês prestam pra alguma coisa, elogia de cara amarrada.

Não falou obrigado, mas acho que era o jeito dele de agradecer.


Manoel cata um tronco maior, senta e começa a desamarrar uma trouxa que está ao seu lado na carroça. É uma marmita embrulhada numa toalha xadrez, azul e branca. Quando ele abre o pano, um cheiro gostoso de carne temperada sobe no ar. Tinha quatro sanduíches de pão com queijo e carne assada. Zé, Tião e eu sentamos no chão perto dele, sem falar nada. O sol já vai alto, deve ser próximo do almoço e a gente sente o cansaço, e mais ainda, a fome.


Manoel come o primeiro sanduíche rapidamente. O cheiro da marmita faz a boca encher d’água. Ele pega o segundo sanduíche e come com prazer, lambendo os dedos, mas sempre de cara fechada. Olho pros meninos já com a barriga doendo de roncar, pensando se vai sobrar alguma coisa pra gente. Ele tinha quatro sanduíches, podia ter comido um e dado o resto pra nós. Tudo bem ele é adulto, come dois e a gente divide os outros.


Só que o Manoel pega o terceiro sanduíche e numa mordida leva metade do pão. Tião, que é o mais corajoso (e faminto) dos meninos, não aguenta:

- A não, Manel. Você não vai dar nenhum pra nós? A gente encheu a carroça todinha, resmunga num muxoxo.


Dividir aquele último até que não seria mal. Manel termina o terceiro sanduíche. Pega o quarto lanche na marmita olhando bem pra gente.

- Eu ia até dar esse último aqui pra vocês dividir, Manel mastiga a última mordida. Mas eu falei que não gosto de menino pidão...


Manel guarda a marmita, sobe na carroça e começa a ir embora. O jeito é correr pra ver se ainda tem almoço em casa. A pé, já que a caçamba está cheia.

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo